Flamenco em 3 tempos na Espanha

Ao falar em Espanha normalmente lembramos do Flamenco, mas qual?
O Flamenco surgiu no século XVIII na Andaluzia como forma de expressão reservada aos momentos mais intensos de celebração da vida.  E foi declarado em 2010 pela UNESCO como ”Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade”.
Este ano tive uma experiência muito interessante ao assistir espetáculos de Flamenco: comecei por Barcelona no Palau de la  Musica Catalana, que, diga-
se de passagem, por si só já é um espetáculo a parte!
Palau de la Musica Catalana

Pois é lá assistimos a um “Gran Gala Flamenco” com todos as emoções vividas pelos artistas desde o sofrimento à determinação da mulher, a todos os rodeios e seduções masculinos. O espetáculo traz uma coreografia bem definida, destas de apresentações mundiais com muito talento e  artistas de primeira classe.

Depois seguimos para Granada e fui ao berço do flamenco, assistir um espetáculo e jantar em uma legítima “cueva” em Sacromonte na Venta El Gallo, aquelas que originalmente foram construídas pelos árabes  a partir do séculos XVI.
“Cuevas” ou cavernas são habitações comuns de Sacromonte, sua origem não é clara,  quando a população muçulmana e judaica foi expulsa de suas casas, a estes juntaram-se os ciganos nômades.  As “cuevas” surgiram aos arredores marginalizadas da cidade, o que significava estar fora de controle administrativo e ordem eclesiástica.
A própria arquitetura do local já cria um clima intimista os artistas parecem viver o drama e a dor da dança. Os olhares ora presunçosos ora sofridos incorporam de maneira tão real que parece que estamos em outra época, que voltamos no tempo e estamos presentes ao que um dia existiu
realmente, a sensação é de emocionar.
Além do espetáculo apreciamos um jantar da cozinha tradicional de Granada com a influência árabe-andaluz.
A seguir fomos para Sevilha,  havia lido em um guia a dica de assistir Flamenco em um pátio sevilhano na Casa de la Memoria, daqueles com colunas desenhadas e flores pelas paredes com passarinhos  cantando junto, que pareciam fazer parte dos músicos, que até tivessem  sido contratados para o espetáculo.
Sem desmerecer qualquer outro dos dois devo confessar que este foi o que mais me tocou.  A área do espetáculo é pequena, as pessoas sentam ao redor dos artistas e vivem junto o momento com toda a energia
que um lugar de flores e pássaros pode trazer.

Sobre o Autor